/Harmony of the Seas: “ilha flutuante”

Harmony of the Seas: “ilha flutuante”

Lojas, restaurantes, bares, casas de shows, quadra poliesportiva, pista de corrida e tantas outras atrações para uma “população” de quase 6 mil habitantes.

Essa poderia ser a descrição de uma pequena ilha, mas é o Harmony of the Seas, da Royal Caribbean, o maior navio de cruzeiros do mundo, que está no Caribe para uma temporada no Oceano Atlântico, após estrear em águas europeias.

À primeira vista, o tamanho da embarcação assusta – ainda mais quando está no porto lado a lado com outros navios. Ao embarcar, é difícil não se maravilhar com o luxo e os cuidados na decoração e nos detalhes.

Há opções para as crianças se divertirem o dia todo

Diversão

O Harmony of The Seas possui sete bairros nos seus 17 andares (ou decks, conforme a nomenclatura marítima), cada um com sua especificidade. O Boardwalk, inspirado nos cais que pontilham a costa da Inglaterra e nos calçadões nostálgicos do passado, tem lanchonetes, como a hamburgueria Johnny Rockets, que nos leva de volta aos anos 50 com seu estilo, e o Starbucks, parada obrigatória para todos que amam café.

A imensidão do navio por dentro – Fotos: Bruno Porciuncula

Lá também é o espaço para o belo show Aqualand, no qual os bailarinos fazem performances aquáticas, atraindo um grande público. E shows não faltam no navio, um prato cheio para quem gosta de grandes espetáculos, e que já estão incluídos no pacote do cruzeiro.

O musical Grease, baseado no filme de grande sucesso, é apresentado no navio gratuitamente, com a montagem da Broadway. Há ainda o belo espetáculo 1887 na pista de gelo – sim, tem até isso no navio –, que mostra a história da humanidade através da patinação.

Públicos variados

O Harmony of the Seas tem atrações para todo o tipo de público, das mais variadas idades. Nas piscinas de ondas, é possível surfar ou praticar o bodyboarding, animando os mais radicais.

O tobogã The Ultimate Abyss possui 30 metros de queda livre, percorrendo até a área externa do navio, para encerrar no Central Park, e não em uma piscina. Esse é para os mais radicais – não é o caso do repórter que vos escreve, que só andou na montanha-russa do Pateta quando foi à Disney.

Banheira de hidromassagem fica de frente para o mar

Mas, depois de fazer o coração palpitar por alguns segundos, é possível relaxar em uma das inúmeras jacuzzis disponíveis na área externa do navio ou fazendo uma massagem no spa, que conta com serviços de massoterapia e acupuntura, dentre outros.

Internet veloz

Quem gosta de tirar selfies e acessar as redes sociais, o navio conta com internet de alta velocidade da Voom. É possível contratar o serviço podendo optar para apenas navegar na internet ou ainda assistir a vídeos em streaming (para quem não consegue ficar muito tempo longe da Netflix).

Os bares são outras atrações à parte, com músicas ao vivo – principalmente latinas – e bebidas dos mais variados tipos. O Bionic Bar é um dos principais. É possível escolher uma bebida – ou inventar – e dois robôs se encarregam de preparar os drinks, com movimentos ritmados, como bailarinos.

A academia tem aulas de spinning e equipamentos de última geração, com as esteiras e bicicletas de frente para janelas com o mar. Há ainda uma pista de corrida de 7,5 quilômetros.

Para os fitness, há uma academia com direito a um circuito para corrida de 7,5 km

Brasileiros em alta

Apesar da alta do dólar, o CEO da R11 Travel, Ricardo Amaral, está otimista com relação às viagens de brasileiros nos navios. “Tivemos um aumento de vendas de 15% no ano passado, em relação ao anterior. Para 2017, já temos reservados 30% a mais”, revelou.

Para navegar no Harmony of the Seas, o brasileiro deve viajar para Miami ou Fort Lauderdale, na Flórida. É necessário possuir o visto americano.

As cabines custam a partir de R$ 2.568,00. Está incluído no pacote todo o entretenimento e diversos restaurantes. As bebidas incluídas são água, sucos e chás.

Já para usufruir dos restaurantes especializados, como o Jamie’s Italian – do chef britânico Jamie Oliver – , o Wonderland – com decoração que remete a Alice No País das Maravilhas –, e o 150 Central Park, é necessário fazer uma reserva de US$ 35 e pagar o que for consumido.

Do quarto, a visão das Bahamas….

Portos de parada

Os cruzeiros de sete dias passam sempre por mais três portos, além de Fort Lauderdale, que podem ser Nassau (Bahamas), San Juan (Porto Rico), Labadee (Haiti), Cozumel (México), Falmouth (Jamaica) e Charlotte Amalie (St. Thomas) e Philipsburg (São Martin), dependendo do itinerário. É possível fazer as reservas pelo site www.royalcaribbean.com.br

Claro que aproveitei o último dia da press trip para aproveitar a hidro com esse visual

* Bruno Porciuncula viajou a convite da R11, distribuidora oficial da Royal Caribbean para América Latina