/Selfies com animais são má ideia

Selfies com animais são má ideia

Os ativistas da ONG World Animal Protection alertaram que a atividade turística na região da Amazônia prejudica animais como o boto-cor-de-rosa e o bicho-preguiça, que são submetidos a longas sessões de fotos.

Por Bruno Porciuncula

A organização, com sede na Inglaterra, publicou esta semana um relatório em que afirma que desde 2014 as fotos de pessoas com animais no Instagram aumentaram 292% no mundo todo. E em 40% delas, os humanos aparecem “abraçando ou interagindo de forma inadequada com um animal selvagem”.

Com frequência, os animais são capturados e maltratados antes de serem exibidos aos turistas, aponta a World Animal Protection, que se infiltrou em excursões na selva amazônica do Brasil e do Peru para registrar estas interações. Aqui no site mesmo tem uma foto minha com um preguiça, mas era de uma família ribeirinha e não sofria maus tratos.

“Atrás das câmeras, estes animais costumam ser espancados, separados de suas mães quando bebês e guardados secretamente em lugares sujos e apertados; ou são cevados reiteradamente com alimentos que podem ter um impacto negativo a longo prazo em seu organismo e comportamento”, afirma o grupo em declaração à agência AFP.

“Com muita frequência os turistas desconhecem completamente esta crueldade que torna os animais submissos e disponíveis”, acrescenta.

Passeios turísticos

Em Manaus, capital do estado do Amazonas, 94% dos 18 passeios turísticos visitados pela World Animal Protection ofereciam a oportunidade de “segurar e tocar animais selvagens” para tirar fotografias.

Em tais pacotes, o boto-cor-de-rosa era o animal mais oferecido pelos agentes para este tipo de contato, seguido da preguiça-de-três-dedos, crocodilos, anacondas verdes e macacos.

Roberto Cabral, coordenador das operações de fiscalização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), disse em uma entrevista à AFP que manter animais em cativeiro para estes fins é ilegal no Brasil, mas que infelizmente isto “acontece”.

Porém, “no contexto geral de tráfico de animais e de caça que existe no Brasil, embora (a exploração turística de animais) seja impactante, é algo mínimo”, apontou.

“A ironia é que o turista que normalmente tira fotos com o animal é aquele turista que adora os animais e, na realidade, está contribuindo para o seu mal-estar, captura e matança”, acrescentou Cabral.

TAGS: